sexta-feira, 25 de maio de 2018

Diga não à reeleição política

Um dos braços da corrupção é a reeleição política. A reeleição política e o voto obrigatório são dois institutos da política que têm causado muito mal ao país. A reeleição é a consagração da mesmice que não consegue apresentar propostas positivas para serem aprovadas em um mandato.

A reeleição significa para muitos a continuação do cabide de emprego político bem remunerado e para outros abonados, a glória de participar das luzes da ribalta do poder.

A política precisa de constante renovação, de oxigênio novo. Política não é profissão como muitos oportunistas e vivaldinos pensam. Ninguém é insubstituível na vida ou na política, senão Deus, que no dizer de Rui Barbosa é a chave inevitável do Universo.

Muitos políticos que se consideravam insubstituíveis, hoje jazem nos cemitérios sem que a política ou a sociedade tenham sentido as suas faltas. Ademais, país nenhum parou pela perda de seus políticos.

Em época ou proximidade de eleições, é comum ouvir-se de candidatos a velha tática de convencimento de que em democracia a única maneira de promover mudanças é através do voto e que será um enorme desserviço anular ou se abster de exercer esse direito.

É compreensível a busca do candidato pelo voto. Mas é um direito do cidadão, que não acredita mais na classe política, por óbvias razões, de não votar em ninguém, anulando o seu voto. E nem por isso esse cidadão, que paga imposto para cobrir a despesa do inchado e inoperante Congresso Nacional, estará impedido de criticar os malfeitos de qualquer político, quando necessário.

A Constituição brasileira, elaborado por políticos espertos, cometeu o grande equívoco democrático ao considerar o voto uma obrigação de todos. A Constituição já nasceu ao sabor do interesse do político solerte de se eternizar no poder. Ora, democracia não combina com o autoritarismo da obrigação de votar, pois isso é próprio da natureza de regimes antidemocráticos. Portanto, em democracia o voto deveria ser facultativo.

No Brasil, o voto obrigatório tem se constituído justamente no vetor principal e responsável pela eleição e reeleição de Parlamento e Governos fracos, formados por muitos elementos de condutas não ilibadas e sem preparo adequado para o exercício de mandatos. E a quantidade de políticos encalacrados na Justiça, cassados e condenados é a prova irrefutável de nossa observação. E a culpa é do incauto e semianalfabeto eleitor, que se deixa levar pela ideia do voto obrigatório e escolhe qualquer candidato de boca de urna ou que lhe tenha prometido alguma ajuda. E os Tiriricas da vida estão aí para confirmar.

Se quisermos mudar a política do ambiente de acordos espúrios, de compadrios, de fisiologismo e de mandatos quase vitalícios, é necessário que o eleitor aprenda a escolher melhor os candidatos, a não reeleger ninguém e a não recambiar para o cenário político elementos que já cumpriram mandatos no Parlamento ou no Executivo.

Como se pode continuar a acreditar nos políticos brasileiros se eles dão mostras evidentes de que vão para o Parlamento ou para o Governo, não para trabalhar pela nação, mas sim imbuídos, lamentavelmente, de tirar vantagem da coisa pública? Muitos parlamentares se aposentam(até precocemente) pelo Legislativo Federal, levando consigo polpudas prebendas; outros, como os senadores, ex-senadores e familiares consideram tudo “legal” e não questionam a imoralidade de desfrutar do Plano de Saúde gratuito e vitalício do Senado Federal, uma indecência custeada por cada contribuinte nacional, que afronta os Artigos 5º e 37 da Constituição Federal; e sem esquecer também daqueles ex-governadores e pensionistas que mamam nas tetas do Tesouro Estadual subsídios vitalícios por terem exercidos mandatos de governador.

De acordo com a senadora Ana Amélia (PP-RS), as soluções para os problemas do Brasil passam pela política. De fato, as soluções, infelizmente, passam pela política por ser este o caminho constitucional estabelecido. Mas os resultados têm sido catastróficos diante de um quadro político em que, segundo o Congressoemfoco, mais da metade do Senado e um em cada três deputados federais estão enredados na Justiça.

Enquanto não for feita uma ampla reforma política, não a fabricada dentro dos gabinetes ao sabor dos interesses partidários e políticos, para mudar o nosso ultrapassado sistema, por exemplo, do voto obrigatório e da reeleição, e introduzir a candidatura avulsa sem vinculação partidária e o voto distrital puro, as sucessivas eleições não produzirão o efeito desejado. E, dessa forma, continuarão sendo eleitos e reeleitos elementos inescrupulosos mais interessados no cabide de emprego, nas luzes da ribalta do poder e em defender interesses pessoais e de grupos que representam.

Portanto, quando vejo a reeleição de um político, eu enxergo o país cada vez mais em retrocesso, ou seja, a mesmice sendo reeleita para não fazer nada.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Governo subestimou a paralisação dos caminhoneiros


Governo nenhum deve subestimar as reinvindicações ou as reclamações da sociedade civil e empresarial. Por outro lado, a vida da sociedade e os meios de produção internos, que precisam de combustível derivado do petróleo, não podem ficar sujeitos à oscilação da política da Petrobras, atrelada ao mercado internacional de commodities, cujas cotações variam diariamente, para cima e para baixo.

O consumidor brasileiro precisa ser respeitado pelas políticas governamentais. E, portanto, a vida do consumidor brasileiro não pode ficar sujeita às variações do mercado de commodities.

O Governo tem que respeitar a capacidade de endividamento da sociedade, principalmente a classe assalariada, e não permitir que a Petrobras, para resolver os seus déficits por políticas malsucedidas, fique majorando o preço dos combustíveis, criando um ambiente de desconforto e embaraço para a economia nacional e para a sociedade.

Governo anuncia acordo com entidades para suspender greve por 15 dias

Governo anuncia acordo com entidades para suspender greve por 15 dias

Os três patetas - Marun, Padilha e Eduardo Guardia - que não tiveram habilidade de abortar a deflgração com diálogos e atendimentos das justas reivindicações dos caminhoneiros.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

A justa paralisação dos caminhoneiros


O atrelamento do combustível ao mercado internacional é bom para a Petrobras, mas um desastre para a economia interna nacional.

A produção brasileira dependente do combustível fóssil não pode se desenvolver com a atual política governamental da Petrobras. Essa gangorra do preço do combustível, ora acima, ora abaixo, só prejudica a sociedade com a forçosa elevação dos preços dos alimentos e demais mercadorias, e isso já vem produzindo efeito no bolso dos consumidores.

A solução de aumentar a carga tributária para amenizar o custo do combustível é uma medida política perversa diante de um país onde o imposto é um dos mais altos do planeta e não se vê retorno dele em serviços públicos de qualidade.

O governo tem que cortar os gastos da máquina pública nos Três Poderes, mas não corta, e subsidiar quem produz, em vez de acenar com aumento de impostos para neutralizar a perda da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre o óleo diesel.

Assim, estão certos os caminhoneiros com o movimento de paralisação. Quem transporta alimentos e demais mercadorias para o crescimento do país não pode ser penalizado com a constante majoração de preços dos combustíveis. E por outro lado, a sociedade e demais empresários e empreendedores, que precisam do combustível fóssil para trabalhar, não podem ser prejudicados por políticas perversas de sustentação da Petrobras.

Sai governo e entra governo, mas a situação brasileira continua a mesma: a população é sempre chamada para pagar a conta do custo Brasil. Uma vergonha!

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Pifou o ribombar ameaçador do Lulapetismo


A proeminência do desespero que tomou conta do Lulapetismo, com a prisão de sua referência máxima, contrasta melancolicamente com aquela pseudobravura que o Lulapetismo exibia de que o país ia parar, caso Lula fosse preso. O país não parou, o “exército bravateiro de Stédile” pifou e a Justiça mandou Lula para a cadeia.

Com o pífio efeito do ribombar ameaçador da trupe mambembe Lulapetista, o PT não se conformou e foi bater de forma recorrente às portas da Justiça, onde reiteradamente foi derrotado. E malcontente com o Judiciário brasileiro, fez ameaças vexaminosas de apelar a cortes internacionais, como se aqui não vivêssemos em pleno Estado de Direito, com as instituições funcionando normalmente.

Agora, o Lulapetismo, desnorteado, quer por quer considerar Lula um preso político. Ora, Lula não é um preso político, porque não existe “crime político” nem aqui e nem em nenhum lugar de regime democrático. Lula não foi perseguido e está preso porque cometeu crimes previstos no Código Penal brasileiro.

Qualquer homem público é igual a qualquer homem comum, diante da lei. Quem cometer crime, após o devido processo legal que comprove a culpabilidade, será condenado, como foi Lula mandado para a prisão.

O Lulapetismo queria, mas não conseguiu, transformar Lula em eminência sobrenatural inatingível.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

STF DETERMINA QUE LULADRÃO PERMANEÇA NA PRISÃO

Por cinco a zero, a segunda turma do STF decidiu que LULADRÃO deve permanecer preso, para desespero da madame do PT, Gleisi Hoffmann, e demais vira-latas petistas.

Trata-se de decisão corretíssima a uma prisão legalíssima. Agora, a LULADRÃO só resta recorrer ao Diabo, pois a Deus ele não vai conseguir nada.

Pau que bate em Marcos Valério, Eduardo Cunha, Palocci e Fernandinho Beira-Mar é o mesmo que bate em LULADRÂO, por que não? A lei é igual para todos.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

O contribuinte continua sustentando Plano de Saúde do Senado e pensões de ex-governadores


Neste Brasil de desigualdade, a classe política sempre quer tirar vantagem e isso que ela é eleita para servir à sociedade e ao país.

Enquanto a sociedade se mantiver em estado de letargia, não se preocupando como o seu dinheiro está sendo usado sorrateiramente pelos políticos, estes continuarão se locupletando e a população carente, cada vez mais, esquecida na pobreza.

Pois bem, muita gente não sabe como o dinheiro do Tesouro Nacional é mal empregado, ou se sabe não se preocupa, mas está sempre reclamando da alta carga tributária do país. Trato aqui de duas situações absurdas de gastos com políticos e ex-políticos, que considero um acinte aos contribuintes e um desrespeito à população necessitada.

1. Plano de Saúde gratuito e vitalício de senadores, ex-senadores e familiares.

Em 24/06/2012, o Estadão publicou excelente matéria informando que os senadores têm planos de saúde com mais privilégios entre os Poderes. E que benefício vitalício e sem restrição pago pela Casa atende até a familiares de suplentes que ocuparam cargo por no mínimo seis meses.

A reportagem do Estadão é atualíssima porque persiste a indecência do Plano de Saúde do Senado Federal aos senadores, ex-senadores e familiares, de forma integral, vitalícia e gratuita, cuja concessão afronta os artigos 5º e 37 da Constituição Federal, bem como o respeito aos contribuintes brasileiros.

2. Pensão Vitalícia de ex-governadores.

Como se explica a continuação da imoralidade do injusto pagamento de pensão vitalícia a ex-governadores, não prevista na Constituição Federal e ainda existente em muitos estados da federação? É uma vergonha que um mandato de governador de apenas quatro anos dê-lhe direito a uma prebenda vitalícia. E o absurdo é tão enorme que, em Santa Catarina, o deputado estadual Leonel Pavan, que exerceu a governança estadual por apenas oito meses, hoje embolsa polpuda aposentadoria de ex-governador. Isso se explica pela deformação de caráter do político que confunde o público com o privado, vota leis em seu favor, e só quer tirar vantagem da coisa pública.

A verdade é que a corrupção corrói a dignidade dos políticos nacionais, com raras exceções, pois só querem levar vantagem. Fingem-se de homens públicos dignos, retos, honestos, honrados e responsáveis com a res pública, mas não passam, a maioria, de safadões, parlapatões, escroques e larápios da República.

Esses fingidos homens públicos são os que votam as leis do país ao sabor dos seus interesses solertes e que sempre estão se apresentando como candidatos nas reeleições, inclusive para presidente do país.

O trabalhador brasileiro honesto e que não vive das benesses políticas, ou é atendido no SUS, ou paga de seu bolso plano de saúde para ele e família. Mas os safados do Senado Federal não se envergonham de desfrutar, sem terem contribuído com um só centavo, de assistência médica e hospitalar integral, vitalícia e gratuita, inclusive para pagar serviços ocorridos no exterior.

Esses excrescentes gastos com o dinheiro público, isto é, dos contribuintes, só existem porque não temos uma Justiça capaz de impedir tais imoralidades.

Júlio César Cardoso

terça-feira, 1 de maio de 2018

Tragédia anunciada no centro de São Paulo


Prédio de 24 andares, pertencente à União e ocupado por invasores, desaba em incêndio no centro de São Paulo. Uma tragédia anunciada que a prefeitura, por incompetência e negligência, não soube evitar.

Administrar uma cidade requer acima de tudo competência e responsabilidade. Ser político apenas ou portador de alguns cursos acadêmicos não credencia quem não tem experiência administrativa. E o resultado desses engomadinhos à frente da administração pública já é bastante conhecido.

Muitos prédios abandonados da União, dos estados e municípios existem pelo país afora sem que as autoridades tomem medidas preventivas para impedir tais ocorrências. No entando, quando ocorre um fato como o de São Paulo, geralmente o responsável pelo patrimônio público tenta tirar o corpo fora com evasivas as mais estultas, como agora se ouviu do atual prefeito de SP, Bruno Covas: “Não cabe à prefeitura retirar as pessoas do local. O pedido de reintegração de posse tem quer ser feito pelo dono do prédio.”

Mesmo que os invasores não permitissem, a prefeitura tem a responsabilidade de fazer a vistoria no prédio, visando a preservar a vida de seus habitantes, bem como a integridade física e funcional do imóvel, para que não ocorresse fato da espécie, com sensíveis prejuízos também aos proprietários de imóveis da circunvizinhança atingidos pela tragédia.

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) disse em nota que o prédio não estava na programação de vendas de imóveis da União. "Ao contrário, ele foi cedido provisoriamente pela Secretaria do Patrimônio da União (SPU/MP) à prefeitura do município de São Paulo, em 2017, e a previsão é que seria utilizado para acomodar as novas instalações da Secretaria de Educação e Cultura de São Paulo". Portanto, como cessionária, a prefeitura tem sim responsabilidade pelo ocorrido, por negligência ao não vistoriar, como devia, o prédio.

Ora, em caso de resistência dos invasores à vistoria, a prefeitura deveria ter pedido autorização judicial para procedê-la, o que, certamente, não seria negado, pois se tratava de medida profilática para garantir o perfeito estado de preservação física do imóvel e de sua habitabilidade. Não procedendo dessa forma, a prefeitura errou e, portanto, deveria ser penalizada, ela e a União por ser dona do imóvel, a indenizar aqueles que sofreram prejuízos.

Assim, carece de sustentabilidade a evasiva do prefeito Bruno Covas de que “ A prefeitura fez o limite do que poderia fazer. Não podemos obrigar as pessoas a sair”. Com efeito, ninguém pode obrigar os invasores a sair sem o devido processo legal, mas com uma autorização judicial nas mãos, a prefeitura poderia perfeitamente ter procedido à vistoria e evitado toda essa tragédia.

A tragédia de SP serve para reflexão acerca do abandono dos prédios públicos, no país, suscetíveis a invasões de sem-teto e correlatos. Os prédios públicos jamais poderiam ficar ociosos, abandonados e se deteriorando, pois ali está aplicado o dinheiro dos contribuintes. Se o prédio público não tem mais finalidade, seja por envelhecimento e deterioração ou por não interessar mais ao patrimônio, a sua alienação pública deveria ser imediatamente autorizada.

Por outro lado, enquanto um prédio público estiver sob a responsabilidade do poder publico, este jamais poderia negligenciar o seu dever de proteção ao imóvel, sob pena de punição dos funcionários responsáveis e governos.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Tiros e perturbação dos acampados pró-Lula

Em outro país de ordem e respeito, Lula estaria incomunicável e expiando a sua devida pena sem emitir opinião, pois, à luz da Constituição Federal, Lula é apenas um preso comum igual aos demais condenados.

Está havendo muita tolerância do Judiciário com a prisão de Lula, fato jamais observado em relação aos demais presos nacionais. Lula já deveria estar em isolamento no presídio de Pinhais. Por que até agora ele continua na carceragem da Policia Federal e incomodando?

Os seus advogados e parlamentares partidários e da base de apoio precisam sofrer veemente advertência do Judiciário por suas investidas acintosas contra a ordem jurídica que condenou Lula.

Por outro lado, a espetacularização promovida até agora pela ré Gleisi Hoffmann e asseclas, contra a referida prisão, tem que ser energicamente sobrestada pela Justiça. Aliás, a ré Gleisi Hoffmann, novamente denunciada pela Procuradoria Geral da República pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, deveria ser responsabilizada criminalmente pelas últimas ocorrências nos acampamentos de grupos ociosos pró-Lula, em Curitiba, por ser ela a principal incitadora dessa corja de vagabundos que não têm o que fazer.

O Brasil merece respeito e não pode ser desmoralizado por sectarismos de esquerda, flagrados em corrupção pela Lava-Jato, que tentam achincalhar e desafiar o Judiciário.

Assim, causa perplexidade a prefeitura de Curitiba instalar banheiros químicos para os acampados, como se isso fosse de sua obrigação. Está tudo errado.

A prefeitura municipal de Curitiba, o governo estadual e as demais autoridades judiciais e policiais falharam ao permitir o acampamento desses intrusos desocupados, que estão causando transtornos à vida das circunvizinhanças. Por que os acampados ainda não foram evacuados?

sábado, 28 de abril de 2018

João Dória e o estelionato eleitoral

Não tem jeito mesmo. Mudam os políticos, mas as práticas viciadas e de desrespeito eleitoral continuam. Com raras exceções, o político brasileiro não vale um vintém. Faltam-lhe escrúpulo, dignidade, ética e moralidade para com o eleitor.

Ora, que grande safadão é o ex-prefeito João Dória! Interrompeu precocemente o mandato para alçar a voos mais ambiciosos, sem consultar o seu eleitor. Claro que o fato não é nenhuma novidade, pois José Serra procedeu da mesma forma. A política não pode continuar sendo um autêntico balcão de negócios para atender a conveniências particulares de políticos.

O ex-prefeito João Dória deveria ter um mínimo de respeito ao instituto do voto, ou seja, ao eleitor, que elege um cidadão para o cumprimento de mandato até o fim. Lembrando ao senhor Dória que estelionato eleitoral é imoral e somente os políticos biltres desrespeitam o voto recebido.

Mas em época de eleição, os candidatos se apresentam ao eleitor, como cordeirinhos desmamados, para pedir por amor de Deus o seu voto. Porém, depois de eleitos, costumam dar uma banana ao eleitor como se não lhe devesse nenhuma satisfação, e largam o mandato. Como se observa, trata-se de políticos imorais, irresponsáveis e, portanto, desmerecedores de consideração da sociedade.

Se o eleitor fosse mais politizado e responsável não deveria votar em político moleque, que comete estelionato ao interromper o seu mandato.

É por isso que a nossa política, entre outras coisas, é esta pouca-vergonha.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Essa turma pensa que pode peitar o Judiciário


Parlamentar não pode exercer advocacia enquanto está na função legislativa, seja a favor ou contra os interesses do Estado. Com esse entendimento, a juíza federal Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, negou nesta segunda-feira (23/4) que o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) fosse reconhecido como advogado do ex-presidente Lula.

Inconformado, o suplente de deputado reagiu assim: “Essa juíza me proibiu de entrar na condição de advogado do presidente Lula. Então, vou impetrar o mandado para assegurar a minha prerrogativa de visitar meus clientes”.

Damous se faz de idiota e tenta dar um carteiraço na Justiça. O suplente de deputado sabe que em qualquer presídio existe regra para visitação do preso. Lula é um preso comum à luz da Constituição Federal. Ele não pode ter tratamento que não seja igual aos demais apenados do país.

O PT tenta espetacularizar a prisão de Lula sob a deformação ótica de crime sem prova e de preso político, em flagrante desrespeito ao Poder Judiciário, cujas decisões as pessoas civilizadas acatam, não obstante possam não concordar com elas.

Ao contrário do suplente de deputado e de outros parvajolas petistas e comunistas que ameaçam processar a responsável juíza Carolina Moura Lebbos, quem deveriam ser processados seriam Wadih Damous e todos aqueles políticos mequetrefes que insistem no despautério da tese da condenação sem prova e de preso político.

A juíza merece todo o nosso respeito, pois o exercício parlamentar é incompatível com o concomitante trabalho advocatício, por óbvias razões. O parlamentar não pode se ausentar do Parlamento, em qualquer tempo, para ir dar assistência ao um cliente. É a mesma coisa que um parlamentar médico ter de interromper o seu horário no Parlamento para ir ao hospital fazer uma cirurgia.

Essa turma petista e comunista - que pretendia eternizar, no país, a corrupção para fins de locupletamento, abortada e comprovada pela Lava-Jato - precisa tomar uma drástica lição não só do Judiciário. Para isso, a volta dos militares é necessária.

sábado, 21 de abril de 2018

Crime sem prova, condenação política e o que falta mais?


" Sarney está desesperado para voltar ao poder", diz Flávio Dino. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) atribuiu, nesta sexta-feira (20) a seus adversários políticos a crise que enfrenta em sua segurança pública após a divulgação de ofícios do alto escalão da PM pela espionagem de oposicionistas.

Pois é, o governador Flávio Dino pode até ter as suas fundadas razões para suspeitar da investida do Sarney. Mas quanto à prisão de Lula, o ex-magistrado comete um grande equívoco ao duvidar da seriedade judicial que condenou o ex-presidente à prisão. Vamos lá...

Dilma Rousseff, Gleisi Hoffman, Lindbergh Farias, Fátima Bezerra, Humberto Costa, Vanessa Grazziotin, Maria do Rosário, Paulo Pimenta, Jandira Gehali, Flávio Dino e outros, que de forma desrespeitosa ao Judiciário insistem com a ladainha do Lula condenado sem prova, deveriam todos ser processados. As suas atitudes contra o resultado da condenação desmoralizam o Poder Judiciário, cujas decisões devem ser acatadas, não obstante se possa discordar delas, mas de maneira civilizada.

A ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por corrupção e abuso de poder e, no entanto, na Coreia do Sul não houve nenhuma exaltação violenta similar à protagonizada por desvairados sectários esquerdistas brasileiros e nem os parlamentares foram inspecionar as condições da prisão ou como a condenada está sendo tratada.

O ex-presidente do Peru Ollanta Humala foi preso preventivamente, acusado de lavagem de dinheiro e também, no Peru, não houve nenhuma comoção desvairada e nenhum parlamentar foi inspecionar as condições da prisão ou como o preso está sendo tratado.

Por que Lula, condenado por robustas provas, que comandava um esquema criminoso de saque sistemático de dinheiro público, como ficou provado na Lava-Jato, pode ter tratamento diferenciado, por exemplo, de um Fernandinho Beira-Mar, cuja única diferença entre ambos está no modus operandi de agir? Eduardo Cunha continua preso, e a prisão dele é ilegal?

Ora, Lula foi condenado em duas instâncias e naufragou com a tentativa dos embargos dos desembargos de declaração, bem como do habeas-corpus no STF, tendo tido assim, pois, todas as chances de se defender. E falar agora em condenação política é um grande despautério.

Lula foi o mais desonesto dos políticos brasileiros, pois soube enganar os pobres, dando-lhes migalhas, enquanto subtraia dinheiro da República, que deveria ir para o social, através das empreiteiras OAS e ODEBRECHT, onde mantinha robusta conta corrente titulada por apelido, decorrente da propina que recebia por obras superfaturadas das empreiteiras à União ou por serviços prestados durante o seu governo e depois dele às empreiteiras.

Por isso, com a delação de gente da confiança de Lula, como Palocci e outros, a Operação Lava-Jato desmontou o modus operandi corrupto de Lula, que fez o ex-sindicalista pobretão constituir fortuna só vivendo de política, a ponto de Lula ser titular de aplicação em previdência privada -BRASILPREV- em cerca de 9 milhões reais, bloqueados pela Justiça.

Lula é o exemplo mais negativo de como tirar proveito do poder e da coisa pública. A condenação de doze anos e um mês de cadeia é muito pouco. Deveria ficar preso e inelegível para o resto da vida. Aliás, o Fisco deveria questionar qual a fonte lícita de Lula para poder bancar os advogados que vêm peitando o Judiciário.

Agora, uma rápida pincelada a respeito da propriedade do imóvel de Guarujá, que Lula e advogados chicaneiros tentam engabelar incautos cidadãos brasileiros, sob o frágil argumento de que o tríplex não pertence ao ex-presidente porque não está registrado em seu nome.

Como se fazem de incultos propositais, principalmente o advogado José Roberto Bathoquio, que parecendo atuar num picadeiro de saltimbancos na Suprema Corte, de forma acadêmica tergiversou sobre a ausência da titularidade de Lula no registro de imóvel, para justificar a sua isenção, bem como sofismou ao falar de disseminação do autoritarismo no planeta, referindo-se à “prisão” do ex-presidente Francês, Nicolas Sarkozy, que, na verdade, foi colocado sob custódia para dar depoimento, o que é normal na França, e depois de ser indiciado por corrupção passiva, financiamento ilegal de campanha e ocultação de dinheiro recebido de Muamar Kadafi, foi liberado.

Ora, é por demais cediço que no país há milhares de imóveis não registrados em nome de seus verdadeiros proprietários por razões as mais diversas, inclusive para esconder o legítimo titular, como é o caso do Lula. Acordos de gaveta e outras especiosidades, no ramo imobiliário, não é nenhuma novidade. Lula e seus advogados são muito espertos na vã tentativa de enganar incautos.

Léo Pinheiro/OAS, declarou ao juiz Sérgio Moro que Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não sabia da reforma no tríplex.

E meia dúzia de parvajolas petistas e comunistas ainda quer discutir a honestidade de Lula e a sua prisão? Vão plantar bata no deserto!!!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Em vídeo à TV Al Jazeera, Gleisi pede apoio para libertar Lula

Em vídeo à TV Al Jazeera, Gleisi pede apoio para libertar Lula

Com riscos de incitação ao mundo árabe contra o Brasil e a nossa democracia, Gleisi tem que ser levada ao Conselho de Ética, pois ela desafia o Judiciário e a nossa República. Parece que a senadora perdeu o senso.

Parlamentares tentam intimidar a Justiça em Curitiba


Demonstrando que não têm o que fazer no Congresso, grupo de parlamentares vão a Curitiba verificar as condições em que se encontram o ex-presidente. Uma verdadeira palhaçada. Por acaso, as excelências se preocupam em saber in loco como os demais presos do país estão sendo tratados?

Não haverá virada da mesa para livrar Lula da cadeia. Todas as tentativas serão em vão. Podem apelar ridiculamente aos organismos internacionais. Lula era o maior comandante de uma organização criminosa que tomou de assalto o Estado brasileiro, onde os pobres eram enganados com migalhas recebidas e o ex-presidente e sua organização se enriqueciam com dinheiro da nação.

A ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por corrupção e abuso de poder e, no entanto, na Coreia do Sul não houve nenhuma exaltação violenta similar à protagonizada por desvairados sectários esquerdistas brasileiros e nem os parlamentares foram inspecionar as condições da prisão ou como a condenada está sendo tratada.

O ex-presidente do Peru Ollanta Humala foi preso preventivamente, acusado de lavagem de dinheiro e também, no Peru, não houve nenhuma comoção desvairada e nenhum parlamentar foi inspecionar as condições da prisão ou como o preso está sendo tratado.

Por que Lula, condenado por robustas provas, que comandava um esquema criminoso de saque sistemático de dinheiro público, como ficou provado na Lava-Jato, pode ter tratamento diferenciado, por exemplo, de um Fernandinho Beira-Mar, cuja única diferença entre ambos está no modus operandi de agir?

Lula ou qualquer outro condenado merece respeito humano, mas não pode o Judiciário permitir a intromissão de parlamentares no cotidiano carcerário de Lula, em desconsideração aos demais apenados do país.

Assim, causa perplexidade a audácia de um bando de hipócritas parlamentares se afastarem de suas obrigações no Parlamento para ir levar solidariedade a um condenado igual a outro qualquer.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Grupo de parlamentares vão a Curitiba verificar as condiçõs em que se encotram o ex-presidente

Grande palhaçada dessa trupe de parlamentares que demonstram não ter o que fazer no Congresso e vão visitar Lula. Por acaso as excelências se preocupam em saber in loco como os demais presos do país estão sendo tratados?

A ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por corrupção e abuso de poder e, no entanto, na Coreia do Sul não houve nenhuma exaltação violenta similar à protagonizada por desvairados sectários esquerdistas brasileiros e nem os parlamentares foram inspecionar as condições da prisão ou como a condenada está sendo tratada.

O ex-presidente do Peru Ollanta Humala foi preso preventivamente, acusado de lavagem de dinheiro e também, no Peru, não houve nenhuma comoção desvairada e nenhum parlamentar foi inspecionar as condições da prisão ou como o preso está sendo tratado.

Por que Lula, condenado por robustas provas, que comandava um esquema criminoso de saque sistemático de dinheiro público, como ficou provado na Lava-Jato, pode ter tratamento diferenciado, por exemplo, de um Fernandinho Beira-Mar, cuja única diferença entre ambos está no modus operandi de agir?

Lula ou qualquer outro condenado merece respeito humano, mas não pode o Judiciário permitir a intromissão de parlamentares no cotidiano carcerário de Lula, em desconsideração aos demais apenados do país.

Assim, causa perplexidade a audácia de um bando de hipócritas parlamentares se afastarem de suas obrigações no Parlamento para ir levar solidariedade a um condenado igual a outro qualquer.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

UM PARLAPATÃO NA PRISÃO


Alguém já disse que petista é igual a corno apaixonado. Você avisa, mostra as fotos, mostra vídeo e mesmo assim ele não acredita.

Vejam um momento de descontração de Lula em que ele confessava o seu caráter mentiroso, acessando https://www.youtube.com/watch?v=M5bOtqmvJHE20.

Que em conversas de botequim tudo pode ser dito após alguns goles da "marvada", vá lá. Mas fora do ambiente de botequim, alguém, que já comandou a nação em duas ocasiões, não pode servir de saltimbanco para divertir qualquer plateia, mentindo sobre a realidade brasileira. O que bem revela a pouca seriedade e falta de decoro de um ex-presidente da República.

Um canastrão desses, infelizmente, foi presidente do Brasil. Um verdadeiro biltre aclamado pela corja petista e que agora encontrou o seu adequado lugar, na cadeia, para mentir e divertir as pulgas.


sábado, 14 de abril de 2018

Prefeito anuncia mudança no colegiado de Balneário Camboriú

Não tem jeito mesmo. Mudam os políticos, mas as práticas viciadas e de desrespeito eleitoral continuam.

O prefeito Fabrício Oliveira e o vereador David La Barrica, que interrompe o seu mandato para exercer secretaria no município, deveriam se corrigir e ter um mínimo de respeito ao instituto do voto, ou seja, ao eleitor que elege um cidadão para exercer mandato até o fim e não para ludibriar o eleitor, interrompendo o mandato para exercer cargo na administração pública. Estelionato eleitoral é imoral e somente os políticos biltres não respeitam o cumprimento do voto.

Quando em época de eleição, os candidatos se apresentam ao eleitor, como cordeirinhos desmamados, para pedir por amor de Deus o seu voto. Mas depois de eleitos, costumam dar uma banana ao eleitor como se não lhe devesse satisfação. Como se observa, trata-se de políticos imorais e irresponsáveis com as suas obrigações de mandatos.

Se o eleitor fosse mais politizado e também mais responsável não deveria (1) votar nos Fabrícios da vida que colocam em secretarias vereadores eleitos e (2) nem reconduzir ao Legislativo vereadores moleques, descumpridores de seus mandatos.

Lamentavelmente, o modus operandi do Fabrício é igual ao que ocorre no país. É por isso que a nossa política, entre outras coisas, é esta pouca-vergonha.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Justiça nega visita de governadores e senadores a Lula


Um bando de governadores e senadores ociosos, que deviam estar em seus postos de trabalho, em plena terça-feira (10), foi visitar um condenado. E quem pagou as passagens e hotéis deles? Claro, os contribuintes!

Cambada de mequetrefes em solidariedade a um larápio da República, condenado pela Justiça à prisão, que conseguiu ficar rico só vivendo da política.

Além de Flávio Dino (MA) e Gleisi, compareceram à superintendência os governadores Camilo Santana (Ceará), Renan Filho (Alagoas), Ricardo Coutinho (Paraíba), Rui Costa (Bahia), Tião Viana (Acre), Paulo Câmara (Pernambuco), Valdez Gois (Amapá) e Wellington Dias (Piauí), bem como os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (MDB-PR).
Cambada, diz-me com quem andas e te direi que és.

terça-feira, 10 de abril de 2018

A esquerda baderneira está como barata tonta


Baderneiros petistas comunistas, PSOL, PCdoB, MST, Via Campesina formam uma corja de subversivos que não sabem conviver no Estado Democrático de Direito e confundem anarquia com democracia. São reacionários às decisões da Suprema Corte, quando não lhes convêm, enquanto os demais cidadãos civilizados acatam com respeito o resultado do Judiciário, embora possam não concorda com ele.

O que fizeram com a propriedade da ministra Cármen Lúcia, em Belo Horizonte, jogando tinta vermelha na fachada do prédio,  dá a dimensão exata do movimento de insensatez de grupos partidários de esquerda.

Baratinados e desarticulados demonstram  que não absorveram  democraticamente a condenação legal de Lula, desmascarado pela Lava-Jato, o qual, até então, roubava a esperança dos pobres, desviando dinheiro para o seu bolso, através das empreiteiras OAS e ODEBRECHT, que deveria estar sendo empregado em educação e saúde das camadas mais necessitadas brasileiras.

Todos os subversivos que afrontaram a propriedade da ministra deveriam ser identificados e condenados a indenizar os prejuízos, bem como a ficar por muito tempo enjaulados, porque não são dignos de convivência social.

Esses arruaceiros, encomendados pela esquerda desmoralizada, não se conformam em ver Lula em seu merecido lugar: a prisão. Pensavam eles que podiam  tocar fogo no Brasil, mas se queimaram e o tiro saiu pela  culatra.

E onde ficaram as ameaças do “exército” do comunista  João Pedro Stédile (MST) - amigo do rei sem trono -,  da Via Campesina, do PSOL,  PCdoB e de outros parvajolas, que bravateavam parar  o país caso o ex-presidente fosse preso? Todos não passam de vira-latas covardes, só sabem latir de longe,  pois o fanfarrão Lula agora está na prisão.

Aqueles que desrespeitam as instituições e tentam achincalhar a República não podem ficar na impunidade. Pois bem, Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann e outros políticos deveriam ser processados por insistir que Lula foi condenado sem prova. Tais atitudes contra a decisão judicial brasileira, além de desrespeitosas, desmoralizam o Judiciário e difundem uma deslavada mentira. 

Ora, Eduardo Cunha, Adré Vargas, Gim Argello, Luiz Argôlo e Fernandinho Beira-Mar estão pesos por condenação judicial. Por que  o ex-presidente  deveria estar em liberdade, se as provas nos autos, atestadas pelo Judiciário, comprovam a sua culpabilidade?
 
A ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão, nesta sexta-feira (6), por corrupção e abuso de poder e, no entanto,  não houve nenhuma exaltação violenta similar à protagonizada por desvairados sectários esquerdistas brasileiros.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

A rebeldia de Lula e do PT às decisões do Judiciário


MST anuncia interdição de mais de 50 rodovias em 24 estados E Lula diz a jornal que não irá se entregar à Polícia Federal.

Estamos em pleno Estado Democrático de Direito. Aqui tudo funciona de acordo com a Constituição. Os indignados com a decisão superior da Suprema Corte, independentemente do apertado placar majoritário de 6 a 5 , não podem se rebelar a ponto de descumprir uma decisão judicial, pois, senão, estarão agindo ao arrepio da legalidade como se estivesse aqui vivendo em um estado de anomia, o que verdadeiramente não é a situação brasileira.

Assim, as manifestações do MST e de demais entidades, desde que sejam pacíficas e democráticas, serão respeitadas. Mas se o cenário degringolar para a anarquia, para o desrespeito constitucional, para afronta ao Judiciário, ao qual todos devem obedecer, o remédio eficaz será a pronta e enérgica intervenção do aparato militar.

Baderneiros políticos devem sem tratados com o rigor da lei. O Brasil ainda é uma República onde funcionam democraticamente as suas instituições e onde o povo ordeiro tem a liberdade de expressão. Mas a inversão de valores ou de comportamentos antidemocráticos e totalitários de quem quer que seja devem ser tratados com energia e de forma legal.

O princípio da igualdade constitucional não pode privilegiar ninguém. A lei foi feita para todos, independentemente do status social ou do cargo que desempenha ou que tenha desempenhado.

As oportunidades de defesas foram todas postas à disposição do ex-presidente Lula. Se a Justiça intendeu não acatá-las, deve-se respeitar a decisão judicial como respeita qualquer outro cidadão brasileiro.

Assim, causa perplexidade quando a tentativa de desobediência a uma decisão da Suprema Corte brasileira, configurada no veredicto do juiz Sérgio Moro, transcende a racionalidade daqueles que agora querem questionar a decisão em corte internacional (ONU/OEA), como se o país estivesse mergulhado em regime totalitário e vivesse em estado de anomia.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

ACABOU, LULA!


O juiz Sérgio Moro manda Lula se entregar até as 17 h de sexta-feira (6) para cumprir pena no caso do tríplex de Guarujá.

Acabou o esperneio de Lula. Queremos ver agora os latidos dos vira-latas do PT, PCdo B, CUT, o "exercito" do comunista Stédile, Via Campesina e baderneiros do MST, impedirem o xilindró de Luladrão!

Chupa essa, Gleisi Hoffmann, presidente do PT, a rainha da bancada da chupeta no Senado e desafiadora da Justiça, bem como toda a sua patota petista comunista & agregados: o Brasil é muito maior que Lula e o PT.

Se Eduardo Cunha e Fernandinho Beira-Mar estão presos, por que Lula, condenado pela Justiça, espernei tanto para não ir para o xilindró?

sábado, 31 de março de 2018

Lula encerra caravana pelo Sul criticando ataques de 'fascistas'

Lula encerra caravana pelo Sul criticando ataques de 'fascistas'


A mediocridade de Lula foi devidamente rechaçada por povos que não eceitam mais ser  dirigidos por ladrões do Erário, condenados pela Justiça e que se enriquecem à custa da política solerte, enquanto a população descamisada continua na pobreza.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Lula é persona non grata no Rio Grade do Sul


É patética a manifestação da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ao criticar o comportamento democrático do povo gaúcho no inglorioso périplo do ex-presidente Lula pelo Rio Grande do Sul.

O povo de Bagé, Santa Maria, Cruz Alta, Santo Ângelo, Passo Fundo, Santana do Livramento etc. mostrou ao Lula e à sua tropa de choque que o Brasil não precisa do ex-presidente corrupto. E deixou um recado: que a maioria do eleitor brasileiro honra a sua bandeira verde e amarela de Ordem e Progresso e não a flâmula vermelha comunista.

A verdade é que Lula e sua patota pensam que ainda mandam no Brasil, mas o RS mostrou que a realidade é bem outra. E não adianta a “jararaca” cuspir fogo e nem a comunista Gleisi Hoffmann bufar de raiva, pois lugar de ladrão é na prisão.

Enquanto as camadas pobres continuaram pobres, o pobretão Lula que veio do nada construiu fortuna na política através da esperteza criminosa de agir em seu benefício, como ficou provado na Lava-Jato, e por isso foi condenado pelas inúmeras provas documentais e testemunhais a doze anos e um mês de cadeia.

O povo brasileiro não petista, que representa a maioria, deseja que o novo presidente da República seja alguém que ao menos não roube o país.

Pois bem, encurralado pelas vaias no RS e enraivecido como jararaca, Lula passou a ofender os produtores de alimentos do Rio Grande do Sul dizendo que o produtor rural - o homem de campo, o homem da terra - tem dois prazeres: um é pegar emprestado o dinheiro do governo. E o outro é dar o calote. Que desmedida grosseria com aqueles que produzem a alimentação dos brasileiros.

Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, em Santana do Livramento, indiretamente passou uma carraspana no Lula ao dizer-lhe que “Temos que aprender, em toda América Latina, que sem unidade não há poder e ninguém tem a verdade total. O outro é que se brigamos pela igualdade, temos que viver como vive a maioria de nosso povo e não como vive a minoria privilegiada”, defendeu o uruguaio. Ora, Lula se considera com a verdade total e depois que ficou rico vive como a minoria privilegiada.

E disse mais Mujica: “Devemos conservar um modelo de vida como dirigentes da maioria de nosso povo e não como vive a minoria privilegia. Frequentemente nos convidam a festas, mas é a festa deles e não a nossa. Temos que viver ao lado do nosso povo, temos que viver como os trabalhadores, temos que viver sua sorte, porque do contrário nos confundimos”. Ora, Lula finge viver como os trabalhadores, pois é um burguês vindo do nada e que frequenta as festas da chamada elite.

segunda-feira, 26 de março de 2018

A Região Sul do Brasil é verde e amarela - Lula já está em Foz do Iguaçu-PR para participar de evento - Notícias Agrícolas

Lula já está em Foz do Iguaçu-PR para participar de evento - Notícias Agrícolas

A Região Sul brasileira está mostrando a Lula e à sua caravana que o país é verde e amarelo, e não vermelho. Lula, Gleisi Hoffmann e patota  petista fingem  ter dificuldade de entender  o manifesto sulino contra Lula. Mas se isso servir de alento, não é só Lula o único ex-dirigente ou político desonesto. O país está repleto deles, inclusive no Congresso Nacional.
Ocorre que Lula foi o mais desonesto, pois soube enganar os pobres, dando-lhes migalhas, enquanto subtraia dinheiro da República, que deveria ir para o social,  através das empreiteiras OAS e ODEBRECHT, onde mantinha robusta conta corrente titulada por apelido,  decorrente da propina  que recebia  por obras superfaturadas das empreiteiras à União  ou por serviços prestados durante o seu governo e depois dele às empreiteiras.
Por isso, com a delação de gente da confiança de Lula, como Palocci e outros, a Operação Lava-Jato desmontou o modus operandi corrupto de Lula, que fez o ex-sindicalista pobretão constituir fortuna só vivendo de política, a ponto de Lula ser titular de aplicação em previdência privada-BRASILPREV- em cerca  de 9 milhões reais, bloqueados pela Justiça.
Lula é o exemplo mais negativo de como tirar proveito do poder e da coisa pública. A condenação de doze anos e um mês de cadeia é muito pouco. Deveria ficar preso e inelegível para o resto da vida. Aliás, o Fisco deveria questionar qual  a fonte lícita de Lula para poder bancar os advogados  que vêm peitando o Judiciário.
Agora, uma rápida pincelada a respeito da propriedade do imóvel de Guarujá, que Lula e advogados chicaneiros  tentam engabelar  incautos cidadãos brasileiros, sob o frágil argumento de que o tríplex não pertence ao ex-presidente porque não está registrado em  seu nome.
Como se fazem de incultos propositais, principalmente o advogado José Roberto Bathoquio, que parecendo atuar  num  picadeiro de saltimbancos na Suprema Corte, de forma acadêmica tergiversou sobre a ausência da titularidade de Lula  no registro de imóvel, para justificar a sua isenção, bem como sofismou  ao falar de disseminação do autoritarismo no planeta, referindo-se à “prisão” do ex-presidente Francês, Nicolas Sarkozy, que,  na verdade, foi colocado sob custódia para dar depoimento, o que é normal na França, e depois de ser indiciado por corrupção passiva, financiamento ilegal de campanha e ocultação de dinheiro recebido de Muamar Kadafi, foi liberado.
Ora, é por demais cediço que no país há milhares de imóveis não registrados em nome de seus verdadeiros proprietários  por razões as mais diversas, inclusive para esconder  o legítimo  titular, como é o caso do Lula.  Acordos de gaveta e outras especiosidades, no ramo imobiliário, não é nenhuma novidade. Lula e seus advogados são muito espertos na vã tentativa de enganar incautos.
Léo Pinheiro/OAS, declarou ao juiz Sérgio Moro que Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não  sabia da reforma no tríplex.

sábado, 24 de março de 2018

Advogados de LULA interferem no STF



A ministra do STF, Cármen Lúcia, pauta pedido de habeas corpus para impedir a prisão de Lula. E por maioria o STF concedeu salvo-conduto até o dia 4 de abril, quando o tribunal vai analisar o mérito do habeas corpus, impedindo assim o TRF-4 de determinar a eventual ordem de prisão do ex-presidente.

Vergonhoso! Cármen Lúcia cede à pressão de Lula e de ministros imorais da própria Corte, desapontando a República. Ora, a Justiça tem que ser igual para todos e não é o que está ocorrendo. Vejam, por exemplo, a pusilanimidade do TSE ao absolver a chapa Dilma-Temer, coordenada pelo ministro Gilmar Mendes, um verdadeiro escândalo, bem como o voto de minerva da ministra Cármen Lúcia na votação que manteve o mandato de Aécio Neves no Senado, manchando a sua biografia.

Que STF de pouca seriedade é esse ao não sustentar as suas próprias decisões! Trata-se de uma instituição de flagrante sensibilidade política, quando deveria ser imparcial e comportar-se como o último bastião da República.

Caso Lula consiga reverter a decisão do STF pró-prisão em segunda instância, o tribunal ficará desmoralizado, e aí, senhores e senhoras, só uma intervenção militar para restaurar os valores da República.

Assim, se Lula não for preso, após julgamento dos embargos de declaração, os demais apenados do país deveriam se rebelar contra a falta de equidade da Justiça, porque todos devem ser tratados da mesma forma e julgados com imparcialidade, tenham sido presidente da República ou não. “Dura lex, sed lex”, para todos.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Produtores resistem e Lula não entra em Passo Fundo; acuada, caravana segue... - Notícias Agrícolas

Produtores resistem e Lula não entra em Passo Fundo; acuada, caravana segue... - Notícias Agrícolas


Lula e sua patota pensam que mandam no Brasil, mas o seu malsucedido périplo pelo RS mostrou que a realidade é outra. 
Não adianta a “jararaca” cuspir fogo e nem a comunista Gleisi Hoffmann bufar de raiva, pois lugar de ladrão  do Erário é na prisão.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Advogados de Lula interferem no STF


A ministra do STF, Cármen Lúcia, pauta pedido de habeas corpus para impedir a prisão de Lula. E por maioria o STF hoje (22) dá salvo-conduto até o dia 4 de abril, quando o tribunal vai analisar o mérito do habeas corpus, impedindo assim o TRF-4 de determinar a eventual ordem de prisão do ex-presidente.

Vergonhoso! Cármen Lúcia cede à pressão de Lula e de ministros imorais da própria Corte, desapontando a República.

Que STF de pouca seriedade é esse ao não sustentar as suas próprias decisões! Trata-se de uma instituição de sensibilidade política, quando deveria ser imparcial, e deveria comportar-se como o último bastião da República.

Caso Lula consiga reverter a decisão do STF pró-prisão em segunda instância, o tribunal ficará desmoralizada, e aí, senhores e senhoras, só uma intervenção militar para restaurar os valores da República.

Assim, se Lula não for preso, após julgamento dos embargos de declaração, os demais apenados do país deveriam se rebelar contra a falta de equidade da Justiça, porque todos devem ser julgados com imparcialidade, tenham sido presidente da República ou não. “Dura lex, sed lex”, para todos.

sábado, 17 de março de 2018

Que paradoxo é esse?

Agora a esquerda incoerente e hipócrita quer transformar em mártir a vereadora assassinada Marielle Franco (Psol-RJ), fazendo considerações estapafúrdias de natureza social, racial, sexual etc., enfim, politizando o fato.

Curioso é que Caetano Veloso, Chico Buarque, parlamentares esquerdistas e outras figuras sociais manifestaram estrondoso repúdio ao assassinato da vereadora, mas a mesma comoção jamais foi ecoada pela morte diária de brasileiros, que são ceifados de forma violenta. Que paradoxo é esse?

Miríades de policiais perdem as vidas em defesa da sociedade, mas os defensores dos direitos humanos, Caetano Veloso, Chico Buarque e outros fariseus nunca se preocuparam com esses brasileiros.

Em junho de 2016, uma médica, trabalhadora, que salvava vidas, morreu na Linha Vermelha, vitimada por marginais, protegidos pelos direitos humanos. Por acaso, houve alguma comoção social em repúdio pela morte da médica? Caetano, Chico Buarque e a patota parlamentar de esquerda e dos direitos humanos se condoeram e foram para as ruas reprochar a brutalidade?

A falta de segurança no RJ e em todo o país é uma constatação inequívoca. Mas não se pode particularizar morte de ninguém com suspeições as mais absurdas, quando outras vítimas não recebem o mesmo tratamento daqueles favoráveis a Merielle Franco.

Leia o texto abaixo da coluna da jornalista Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo - e tire as suas conclusões.

A desembargadora Marilia Castro Neves, do Rio de Janeiro, escreveu nesta sexta (16) no Facebook que a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada nesta semana, "estava engajada com bandidos".

Afirmou ainda que o "comportamento" dela, "ditado por seu engajamento político", foi determinante para a morte. E que há uma tentativa da esquerda de "agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro".

A magistrada fazia um comentário abaixo de um texto postado pelo advogado Paulo Nader na rede social em que afirmava entender a comoção gerada pela morte de uma "lutadora dos direitos humanos e líder de uma população sofrida".

A desembargadora então postou o seguinte texto: "A questão é que a tal Marielle não era apenas uma 'lutadora', ela estava engajada com bandidos! Foi eleita pelo Comando Vermelho e descumpriu 'compromissos' assumidos com seus apoiadores. Ela, mais do que qualquer outra pessoa 'longe da favela' sabe como são cobradas as dívidas pelos grupos entre os quais ela transacionava."

E seguiu: "Até nós sabemos disso. A verdade é que jamais saberemos ao certo o que determinou a morte da vereadora mas temos certeza de que seu comportamento, ditado por seu engajamento político, foi determinante para seu trágico fim. Qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro".

Um grupo de advogados que leu o texto começou a fazer campanha nas redes para que Marilia Castro Neves seja denunciada ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) por ter "ironizado" a morte de Marielle.

A desembargadora afirmou à coluna que apenas deu a sua opinião como "cidadã" na página de um colega já que não atua na área criminal.

Ela afirma ainda que nem sequer tinha ouvido falar de Marielle até a notícia da morte. "Eu postei as informações que li no texto de uma amiga", afirma.

"A minha questão não é pessoal. Eu só estava me opondo à politização da morte dela. Outro dia uma médica morreu na Linha Amarela e não houve essa comoção. E ela também lutava, trabalhava, salvava vidas", afirma.

quinta-feira, 15 de março de 2018

Carlos Marun, o pangaré folgado


O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) decidiu denunciar o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, por ter ameaçado pedir o impeachment do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), após decisões que desagradaram ao presidente Michel Temer. A representação será apresentada nesta quarta-feira (14) na Procuradoria Geral da República. O senador quer que a PGR solicite ao Supremo a abertura de inquérito contra Marun. Fonte: Congressoemfoco.

O gaúcho Carlos Marun é um pangaré folgado. Está precisando de uma grande lição. Desde que defendeu o corrupto Eduardo Cunha não parou mais de sua fanfarrice, comportando-se como um autêntico saltimbanco na política nacional.

Escudado ninguém sabe em quê, blasona valentia como se fosse um Dom Quixote no Planalto. Mas não passa de um reles vira-lata.

Certamente, como não teve competência para exercer atividade profissional, foi em busca da política em Mato Grosso do Sul como meio de sua sustentabilidade, corroborando, assim, o que escreveu certa feita o jornal espanhol El País: que ser político no Brasil é um grande negócio, dadas as grandes vantagens auferidas.

Petulante, Carlos Marun desrespeita o Estado Democrático de Direito ao afrontar o STF na pessoa do ministro Luís Roberto Barroso. Com intimidação despropositada ao ministro, a conduta de Marun é própria de elemento de estado de anomia e de comportamento despótico.

quinta-feira, 8 de março de 2018

A política não pode se transformar na arte de tirar vantagem da coisa pública


A farra incontrolável dos gastos públicos, ou seja, com o dinheiro dos contribuintes, tem que acabar. O governo não pode transferir responsabilidade na má condução da saúde financeira do país ao suposto déficit da Previdência Social, não comprovado até hoje por laudo de auditoria. O governo tem que dar exemplo, reduzindo os gastos da máquina pública.

Pagamos um preço muito alto por não participar da vigilância política e dos gastos públicos. Por isso temos governos e Parlamento não zelosos com o Erário e mais interessados em tirar proveito da coisa pública.

Diante da pouca-seriedade de nossos governantes e políticos, temos que ser sim reacionários e não podemos nos calar, pois o nosso silêncio tem colaborado para continuidade de políticos mequetrefes e oportunistas, que só visam aos seus interesses e de grupos que representam.

Pois bem, conforme o MPF (ISTOÉ/07.02.2017), o Brasil perde cerca de R$ 200 bilhões por ano com corrupção. E o que dizer da “corrupção oficial”, ou seja, aquela que desfalca a arrecadação de impostos dos brasileiros e vai bancar o auxílio-moradia de parlamentares e magistrados; pensão vitalícia de ex-governadores; aposentadoria de parlamentares; serviços médicos e hospitalares gratuitos e vitalícios de senadores, ex-senadores e seus familiares; verbas de gabinetes e de mordomias do inchado Parlamento nacional, bem como os benefícios vitalícios aos ex-presidentes da República de que trata o Decreto 6.381/2008?

Trata-se aqui de cultura política viciada de tirar proveito da coisa pública, na maior cara de pau, sem nenhum escrúpulo e respeito com o contribuinte nacional. E o Judiciário, que deveria exigir decência legal, na forma do disposto no Art. 37 da Constituição Federal, também dá o mau exemplo.

Enquanto isso, a maior parte da população brasileira descamisada, pobre, sem eira nem beira não tem direito a serviço público de saúde de dignidade humana, porque o dinheiro da nação, isto é, dos contribuintes, vai sustentar os gastos pessoais de indecorosos cidadãos espertalhões nos três poderes da República.

Ora, tais beneficiários de prebendas públicas são iguais aos larápios que assaltam os cidadãos na vida privada. Só difere o método utilizado. Esses beneficiários são mais refinados na pilhagem ao legitimar a vantagem auferida, por exemplo, em lei ou atos secretos autorizados pela mesa diretora da Casa Legislativa.

Alegam os golpistas do Erário, por exemplo, que as pensões vitalícias de ex-governadores representam um direito legal.

Ora, trata-se de privilégios constitucionais estaduais leoninos, viciados, arranjados entre os pares do Legislativo, que concedem vantagem aos seus políticos sem respaldo da sociedade.

Por outro lado, configura-se flagrante imoralidade alguém, por ter apenas exercido um mandato de governador ou desempenhado a função por alguns meses, ter direito a receber do Tesouro Estadual robusta pensão vitalícia. A política não pode se transformar na arte de tirar vantagem da coisa pública.

Se o benefício da pensão não tem amparo na Constituição Federal, pois as constituições estaduais não podem dispor em desacordo com a Carta Magna, logo, as pensões de ex-governadores são ilegais.

Mas o que nos deixa perplexo é ver o descaramento de políticos beneficiários de pensões de ex-governadores ainda em plena atividade política e acumulando vultosas bonomias salariais públicas, sem nenhum escrúpulo. Não podem ter decência pública aqueles que não se preocupam com os gastos do Erário.

Mas a festa das pensões de ex-governadores está para acabar. O STF julgou inconstitucional, em 02/04/2015, a pensão vitalícia paga a ex-governadores do Pará. Estranha-se, entretanto, por que matéria tão moralizadora ainda não tenha entendimento pacificado no Tribunal.

Assim, é dever da sociedade fiscalizar os três poderes da República e denunciar a farra do dinheiro público, que alimenta os gastos ou os benefícios pessoais de servidores, presidentes, ex-presidentes, governadores, ex-governadores e familiares, políticos e magistrados.

quinta-feira, 1 de março de 2018

Eu nunca fui pesquisado, você já foi?


Se as pesquisas que dão Lula na liderança não foram obtidas de vertentes petistas, então, podemos dizer que realmente este país não é sério, e a frase hipoteticamente atribuída ao ex-presidente francês Charles de Gaulle continua a mostrar a fotografia brasileira.

Não conheço ninguém que já tenha sido pesquisado pelos institutos de pesquisas eleitorais. Eu nunca fui pesquisado, você já foi?

Depois do escândalo do mensalão e agora do petrolão, desmascarado pela operação Lava-Jato, a qual trouxe a lume o esquema da macrodelinquência, mormente petista, comandado, e agora provado, pelo ex-presidente Lula, já condenado a 12 anos e um mês de prisão, causa estupefação que ainda existam brasileiros irresponsáveis que desejam a volta ao poder de um condenado pela Justiça.

Lula em seu primeiro ano de governo e graças ao Plano Real conseguiu até fazer uma boa administração, mas depois e com a eleição de Dilma Rousseff, o seu partido levou o país à quase bancarrota e deixou como espólio: mais de 13 milhões de desempregados e endividados, empresas quebradas, inflação alta, descrédito na comunidade financeira internacional e a Petrobras saqueada.

O Brasil não deseja Lula, mas sim apenas o contingente menor de petistas recalcitrantes e empedernidos, que torcem pelo PT com se ele fosse um time de futebol. E mesmo Lula condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, ainda assim existem irresponsáveis obcecados por Lula.



quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Porto Alegre merece melhor tratamento


Aproveito o ensejo da notícia de que as os obras da Copa serão retomadas em 30 dias, quase na véspera de início do mesmo evento na Rússia, para fazer algumas observações acerca da velha Capital gaúcha.

A velha e suja Porto Alegre, de políticos e partidos inimigos entre si, deveria ser olhada de forma progressista, mas infelizmente não é. Por outro lado, o porto-alegrense deveria ser mais exigente no asseio de sua cidade e cobrar de todos os políticos e governantes, independente de partido, o respeito que a cidade merece.

Causa má impressão a qualquer pessoa que vai a Porto Alegre ver o envelhecimento da cidade: prédios velhos e encardidos, praças e ruas mal conservadas. Então, a Cidade Baixa e o Centro parecem lugares abandonados e de aspectos horripilantes, com sujeira por todos os lados e mendigos dormindo pelas esquinas, o que, aliás, é uma realidade em toda a Capital.

Quem adentra a Capital pela Avenida Farrapos tem a impressão de que está numa cidade em decadência ao testemunhar tantos prédios fechados e velhos.

O que está havendo com os vereadores e outros parlamentares que transigem com o desleixo da cidade e que não fiscalizam e não exigem a recuperação da Capital? Por que não é proposto, por exemplo, um desconto ou isenção do IPTU aos proprietários de prédios antigos e sem pinturas, há muito tempo, para que eles restaurem os seus imóveis e resgatem a paisagem limpa e urbanística da Capital?

Ora, o munícipio tem dinheiro para pagar e muito bem o grande número de vereadores, assessores, secretários e prefeito. Agora, para investir na recuperação urbanística da cidade não tem recursos?

Não me conformo com a inércia da Câmara de Vereadores, que demonstra pouco empenho e responsabilidade para com a fiscalização do município.

Se os vereadores não cumprem as suas obrigações, não deveriam receber regiamente os seus salários. Pois, ficar na Câmara Municipal “brincando” de instituir projeto de lei para homenagear os mais diversos setores e pessoas, bem como dar nomes a ruas, avenidas e outras baboseiras mais, é preferível fechar a Câmara e destinar todo esse dinheiro, que alimenta os vereadores, a causas sociais.

Ademais, se o prefeito não tem competência para administrar a cidade, deveria renunciar o mandato. Ressalve-se, entretanto, que o desleixo com a Capital já vem de longa data, ou seja, de outras administrações.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Vitória da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro


A oposição foi derrotada na Câmara Federal, de forma acachapante, por 340 votos a favor e 72 contra, chancelando a intervenção na segurança pública do RJ. Agora, nesta terça-feira (20), o Senado confirmou a intervenção.

PT, PC do B e Psol são três siglas partidárias mequetrefes, que só querem ver o circo pegar fogo. Mesmo diante de uma situação realística da insegurança pública no Rio de Janeiro, ainda assim os partidos preferem a picuinha e a politicagem rasteira para contrariar o governo federal, o qual, independente de sua ideologia, apenas fez cumprir a Constituição a uma situação incontestável por que passa o Estado do Rio de Janeiro.

Os deputados Alessandro Molon, Benedita da Silva, Celso Pansera, Chico Alencar, Glauber Braga, Jandira Feghali, Jean Wyllys, Luiz Sérgio e o suplente Wadih Damous deveriam ter mais responsabilidade, principalmente com seu Estado, em vez de engrossar o coro da rebeldia ao governo federal. Pois há momentos na vida que se devem esquecer as animosidades políticas para de forma solidária reunir forças e ideias para enfrentar questões cruciais, por exemplo, como as referentes à segurança de ir e vir de uma população.

É evidente que “agente não tem de estar sempre de acordo com a maioria”, como se manifestou Chico Alencar, mesmo porque as pessoas racionais devem saber distinguir o joio do trigo.

Mas é inaceitável que, diante da real situação da insegurança pública no RJ, suplicada solução pela grande maioria de sua população, venham Chico Alencar, Humberto Costa, Lindbergh Farias e outros insensatos políticos usar o subterrâneo da politica para tentar impedir que o povo carioca ou fluminense possa respirar um pingo de segurança em seu direito de ir e vir.

É mais que natural que os políticos contrários à intervenção sejam penalizados eleitoralmente na disputa pelo governo do Rio, bem como nas demais eleições em todo o país. O Brasil não pode ter cor partidária. Os políticos devem respeitar as necessidades dos Estados e da população.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Decreto presidencial a favor do Rio de Janeiro

Senador Humberto Costa (PT-PE),

Somente um parvajola de sua espécie tem o desplante e a insensibilidade de dizer que a intervenção na segurança pública do RJ pode comprometer a democracia.

Ridícula, parva e recheada de animosidade contra o governo federal, a sua manifestação só encontra amparo entre os bandidos, travestidos de políticos, que, diante de uma situação gravíssima, ainda usam a politicagem rasteira para alfinetar medida positiva a favor de todo o povo do RJ.

Gostaria de vê-lo morando com a sua família nas regiões periféricas cariocas, tendo de se deslocar todos os dias pela Linha Vermelha e outras vias conflagradas pelos narcotraficantes, sob intenso tiroteio diário, para agora vir fazer considerações despropositadas relativas à integridade de nossa democracia.

O corrupto governo do PT passou mais de 13 anos no poder e foi incapaz de trazer uma solução compartilhada com a administração carioca, e isso que Lula e Dilma eram amigos do outro corrupto, preso, Sérgio Cabral.

Agora, no maior descaramento, ouve-se desse senador que o PT votará contra a aprovação do decreto presidencial em prol da segurança pública carioca, com estapafúrdias justificativas.

Senador, deixe dessa cretinice extremada, desse ranço perverso e dessa picuinha pueril contra o governo federal, o qual apenas está tomando medida constitucional para salvaguardar a integridade física de ir e vir do povo carioca.

Não confunda alhos por bugalhos. Não confunda politicagem com política. Não traga para o problema carioca resquícios do atavismo medieval, da truculência, do desatino petista, diante de um problema tão grave.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Os novos ricos da Lava-Jato

Os profissionais do Direito deveriam zelar pela licitude da fonte que paga os seus honorários advocatícios. Senão, onde ficam a ética e a decência de advogados que recebem honorários sabidamente de origens ilegais? Por que até hoje a OAB e o Congresso não arrostaram a matéria, de maneira a moralizá-la?

A revista Veja, edição de 29/11/2017, estampa em sua capa, fumando charuto importado de R$ 350 reais a unidade, o criminalista Adriano Bretas, que enriqueceu na Lava-Jato: “Desfruto de um padrão de vida que jamais sonhei ter”.

Não se discute a competência profissional de ninguém para fazer jus aos polpudos honorários recebidos. O que nos chama a atenção é que a fonte pagadora desses honorários é de clientes encalacrados na Lava-Jato, a qual investiga justamente a indecorosidade desses clientes em operações irregulares de desvios dinheiro público.

É difícil acreditar que os honorários advocatícios dos novos ricos da Lava-Jato venham de fontes lícitas. A Receita Federal deveria investigar a legalidade desses honorários.

De todos os contribuintes nacionais é exigida por ocasião da declaração de Imposto de Renda a comprovação das receitas lícitas auferidas. Portanto, os honorários advocatícios não podem camuflar dinheiro oriundo de operações criminosas.

“A Lava-Jato produz uma nova casta de milionários: os advogados criminalistas pagos a peso de ouro para livrar das grades os ricos acusados de corrupção”.

Que certos empresários possam pagar a peso de ouro os seus defensores até não se discute. Mas políticos, por exemplo, como Palocci, Geddel Vieira, Lula, Renan, Jucá, Cabral e outros não têm cacife para bancar com recursos próprios a casta de advogados milionários. E Geddel Vieira mostrou muito bem de onde vem o dinheiro que paga os seus advogados: malas e mais malas abarrotadas de notas de reais e dólares, encontradas em seu bunker, em Salvador, na Bahia.

Assim, dinheiro ilícito está enriquecendo seletos grupos de advogados na Lava-Jato e precisa ser investigado.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

TRF4 mantém condenação de Lula e amplia pena


Julgamento sem prova, uma ova. As provas estão nos autos, tanto que por unanimidade o TRF4 mantém condenação de Lula e amplia pena para doze anos e um mês.

Assim, crime sem cadáver é um delírio da claque petista. Peitar o Judiciário de forma imoral, conclamando MST e outros desordeiros, é extrapolar o exercício democrático.

Os demais cidadãos, democraticamente, respeitam as decisões do Judiciário. Por que o julgamento do Lula se transformou em todo esse espetáculo circense? Lula não está acima da lei e nem é melhor do que ninguém.

Um elemento que enriqueceu só vivendo da política, já é o bastante para não ter credibilidade. Veja, a Justiça bloqueou cerca de 9 milhões de reais de Lula, aplicados em BrasilPrev, por suspeita de origens ilícitas. Qual o trabalhador honesto que consegue poupar na vida tal quantia?

No país há milhares de imóveis não registrados em nome de seus proprietários (Registro de Imóvel), por razões as mais diversas, inclusive para esconder o nome do verdadeiro titular. Acordos de gaveta e outros especiosidades, no ramo imobiliário, não é novidade. Lula é muito esperto na tentativa de enganar incautos.

Léo Pinheiro/OAS declarou ao juiz Sérgio Moro que Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não sabia da reforma no tríplex.

Portanto, a confirmação da condenação de Lula por unanimidade é um aviso de que ninguém está acima da lei.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Julgamento sem prova, uma ova. As provas estão nos autos


Segundo notícia, “a juíza Luciana Correa Torres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, determinou a penhora dos bens da OAS; o detalhe é que um dos ativos penhorados é justamente o tríplex que a Lava Jato diz que pertence ao ex-presidente Lula”.

A juíza do DF não examinou o processo do tríplex contra Lula, apenas se baseou em procedimentos jurídicos normais de suas funções, intuindo que o imóvel ainda pertencia a OAS, empresa em processo falimentar. Por outro lado, a determinação da juíza não é de caráter absoluto. Não é irreparável.

No Rio de Janeiro, por exemplo, juízes têm se posicionado por suas convicções acerca de cometimentos ilícitos de cidadãos, no entanto, o ministro do STF Gilmar Mendes – certo ou errado - tem derrubado todas as decisões.

Assim, crime sem cadáver é um delírio da claque petista. Peitar o Judiciário de forma imoral, conclamando MST e outros desordeiros, é extrapolar o exercício democrático. Os demais cidadãos, democraticamente, respeitam as decisões do Judiciário. Por que o julgamento do Lula se transformou em todo esse espetáculo circense? Lula não está acima da lei e nem é melhor do que ninguém.

Um elemento que enriqueceu só vivendo da política, já é o bastante para não ter credibilidade. Veja, a Justiça bloqueou cerca de 9 milhões de reais de Lula, aplicados em BrasilPrev, por suspeita de origens ilícitas. Qual o trabalhador honesto que consegue poupar na vida tal quantia?

No país há milhares de imóveis não registrados em nome de seus proprietários (Registro de Imóvel), por razões as mais diversas, inclusive para esconder o nome do verdadeiro titular. Acordos de gaveta e outros especiosidades, no ramo imobiliário, não é novidade. Lula é muito esperto na tentativa de enganar incautos.

Léo Pinheiro/OAS declarou ao juiz Sérgio Moro que Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não sabia da reforma no tríplex.

Portanto, julgamento sem prova, uma ova. Caras pálidas, as provas estão todas nos autos, atestadas que foram pelo competente juiz Sérgio Moro e equipe.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Caras pálidas, as provas estão nos autos


Que tanta sandice de mentecaptos lunáticos, defensores do ex-presidente Lula! O Robin Hood ao avesso roubou dos pobres através de manobras solertes junto a empreiteiras (Odebrecht e OAS), encalacradas na Lava-Jato, as quais desviavam dinheiro do Erário para Lula por sofisticado esquema, que deveria ser aplicado no social.

Perdidos na escuridão e vendo chegar melancolicamente o fim de carreira do falso demiurgo, protetor de incautos e enganados descamisados brasileiros, a claque petista resolveu contestar da forma mais inculta, convocando até o MST, ao vociferar o mantra ridículo de que Lula está sendo condenado sem provas.

As provas e bastantes, caras pálidas petistas, estão todas nos autos. O processo não foi estudado e analisado por qualquer rábula petista, mas sim pelo competente juiz de Direito Sérgio Moro e sua equipe.

Caras pálidas, Léo Pinheiro/OAS declarou ao juiz Sérgio Moro que Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não sabia da reforma no tríplex.

Lula não está acima da lei e não é mais importante do que ninguém. Trata-se de um impostor e parlapatão. Político honesto não enriquece na política. Lula teve bloqueado cerca de 9 milhões de reais, aplicados no BrasilPrev, fruto de dinheiro ilícito, como suspeita a Justiça.

Lula é um fanfarrão que não esperava ser descoberto com a botija cheia. Da mesma maneira que no processo do mensalão dizia desconhecer os atos irregulares do partido, agora, na Lava-Jato, repetiu desconhecer a corrupção na Petrobras, terceirizando responsabilidades por eventuais crimes cometidos.

O falso inocente sempre afirmou não saber de nada. E a galera empedernida e recalcitrante petista ainda acredita nas lábias de Lula, já condenado a nove anos e meio de prisão?

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

O Brasil pós-militares


Ninguém de sã consciência deseja ser governado por militares.  Não obstante, no período em que o Brasil esteve sob a sua batuta, tivemos paz social, desenvolvimento, quase inexistia traficante, os nossos lares, as igrejas e as demais instituições não eram gradeadas e podíamos ir e vir sem ser molestados pela bandidagem solta. Apenas os subversivos comunistas e correlatos se deram mal com os militares, pois desejavam transforma esta República em célula comunista ou bolivariana. 

Pois bem, o país pós-militares se transformou em uma nação de políticos  corruptos irremediáveis, respeitadas algumas exceções,  que assaltaram e continuam a assaltar a nação,  depauperando os cofres públicos, de todas as formas, cujos recursos pilhados formam ou  engordam  a fortuna ilícita de muitos políticos indecorosos, hoje, grande parte deles, encalacrados na Lava-Jato: Lula, Temer, Aécio, Collor, Renan, Jucá, Gleisi, Lobão, Palocci etc. Sem esquecer de que a ex-presidente cassada, Dilma Rousseff, de administração desastrada, concorreu para o prejuízo da Petrobras.

Entra governo e sai governo pelos critérios democráticos, mas os graves problemas sociais e políticos continuam  da mesma forma. Por exemplo, a necessária ampla reforma política - para o Brasil se desenvolver e corrigir as mazelas como o voto obrigatório, a reeleição geral, a redução de partidos e do inchado e inoperante Congresso Nacional, a introdução da candidatura avulsa sem vinculação partidária, a instituição do voto distrital puro etc. - não saí ou é fatiada ao sabor dos interesses políticos.

Assim, sem outra intervenção militar para pôr a casa em ordem por um tempo, o Brasil continuará a trilhar os descaminhas da imoralidade. A coisa aqui está tão preta que Lula, já condenado, desafia, com a sua tropa de choque,  descaradamente a Justiça e afronta o juiz Sérgio Moro. Por outro lado, o ministro do STF, Gilmar Mendes, age de forma política e incomum para livrar da cadeia elementos inescrupulosos sentenciados por juízes de instância inferior.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

PT e engenheiros da Petrobras criticam acordo de inizações a investidores


A Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) divulgou nota nesta sexta-feira (5) criticando o acordo proposto pela Petrobras para encerrar ação coletiva que tramita na corte de Nova York, nos Estados Unidos. A estatal propôs pagar US$ 3 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões) para ressarcir acionistas estrangeiros e finalizar o processo. Fonte: Congresso em Foco.

Que moral tem o PT e entidade correligionária de criticarem o acordo da Petrobras, para pagar indenizações de investidores estrangeiros, por falcatruas operadas pelo governo petista na petroleira?

Já estamos cansados de ouvir o discurso de políticos petistas e de sindicalistas retrógrados, os mesmos que afundaram a estatal e quase levaram o país à bancarrota. Essa bandeira de falsos nacionalistas já está rota e bastante manjada.

Agora, de tendência vertiginosamente petista, bota a boca no trombone a Associação de Engenheiros da Petrobras, condenando o acordo. Só que ninguém viu, anteriormente, manifestação alguma desse grupelho de engenheiros acerca da roubalheira da quadrilha na Petrobras. E se a ação processual prosseguir, qual será o valor da indenização? Seria muita burrice dar murro em ponta de faca, pois inexoravelmente é fato que a Petrobras será condenada.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

O desrespeito à professora e ao profossor da escola pública

A que ponto uma professora de escola pública é humilhada e desrespeita por aluno indisciplinado, cujo fato é recorrente em todo o país. Veja este vídeo, que é muito revoltante: https://www.youtube.com/watch?v=1sG7Qxh3O4E

Este é um exemplo de descaso observado há muito tempo no MEC e nas demais representações educacionais estaduais e municipais, que não atuam disciplinarmente contra esses desordeiros estudantes, e mal educados por seus familiares.

Punição exemplar, com suspensão ou expulsão do colégio, deveria ser o mínimo que se poderia esperar, pedagogicamente.

Um país que não defende e preza o seu professor está fadado ao profundo subdesenvolvimento.

Este vídeo deveria ser exibido no Congresso Nacional, bem como ao Ministro da Educação, para que fatos dessa ordem fossem erradicados e combatidos com o rigor disciplinar nas escolas públicas de todo o país.

Enquanto políticas de governos se preocupam com a educação superior e com as políticas de cotas raciais, esquece-se de olhar a educação básica de qualidade e disciplinar da escola pública, onde a evasão de professores é significativa por falta de segurança de sua integridade física diante da alta indisciplina de alunos agressores.

Em vez de parlamentares ficarem se preocupando com politicagem, defendendo interesses solertes de grupos partidáros, as professoras e professores das escolas públicas, verdadeiras e verdadeiros mártires da educação mal remunerada, que deveriam receber salários superiores ao parlamentares, não são tratadas e tratados no país com o merecido e devido respeito.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Economia de Caxias do Sul cresce em 6 meses o que o Brasil projeta para 1 ano

Durante a gestão petista, principalmente de Dilma pedalada Rousseff,  notícia auspiciosa com esta não se ouvia ou era noticiada, por que será? Simples a resposta: a incompetência do governo petista - mais preocupado com o loteamento entre a pelegada dos cargos públicos; com o saque da nação (Petrobras);  com a manutenção no poder etc.  -  deixou de investir na produção de riquezas e quase levou o Brasil à bancarrota. 

E  ainda existem mentecaptos petistas que  teimam em fazer retornar ao Planalto um elemento condenado a 9 anos e meio de prisão e caminhando célere para a segunda condenação? Um elemento que usou o poder para se locupletar, como prova a Lava-Jato através da ODEBRECHT, OAS, PALOCCI etc.? Um elemento, que,  sem trabalhar, honestamente, como todo o trabalhador de carteira assinada, tinha investido mais de 7 milhões de reais em BRASILPREV, bloqueado pela Justiça?


Que se tenha vergonha na cara e não reclame a razão pela qual os descamisados, os paupérrimos brasileiros, mormente do Norte e Nordeste, que se contentam com migalhas eleitoreiras, continuam na mais longeva pobreza, pois, Lula, o grande  impostor da nação, vive muito bem obrigado com dinheiro roubado desses pobretões. E por isso, a sarcástica prosa popular: “Lula tirou milhões  (de reais) da pobreza e depois depositou tudo em sua conta bancária particular.”

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Justiça afasta MST das cercanias do julgamento de LULA


O MST tem que respeitar o Estado Democrático de Direito e não pode intimidar o Judiciário. Lula não está acima da lei e, portanto, tem que se submeter ao brocardo jurídico “dura lex, sed sex”.

A audácia do MST, que tem agido de crista empinada, precisa ser energicamente repelida. Aliás, já se deveria ter posto freio nas ações antidemocráticas e arruaceiras dos insubordinados agentes do MST.

A polícia, em defesa da sociedade, não pode ter complacência com os agitadores do MST. O MST, como qualquer movimento social, tem que respeitar as regras democráticas e jurídicas do país.

A tentativa de intimidação do Judiciário soa como um grande desrespeito à paz da República.